Reportar erro
Período: 1743 - 1882
Viajantes
Nome
(418)
(151)
(136)
(100)
(91)
(59)
(25)
Obras
(418)
(151)
(136)
(100)
(91)
(59)
(25)
Ocupação
(418)
(159)
(151)
(136)
(91)
(25)
Pais de Origem
(554)
(151)
(100)
(91)
(59)
(25)
Local
(159)
(139)
(135)
(119)
(90)
(70)
(68)
(59)
(25)
(23)
(21)
(12)
(11)
(7)
(7)
(7)
(6)
(5)
(4)
(4)
(3)
(2)
(2)
(1)
(1)
Assunto
Natureza
(157)
(51)
(44)
(44)
(19)
(13)
Sociedade
(169)
(136)
(68)
(45)
(29)
Economia
(81)
(74)
(33)
(32)
(22)
Política
(37)
(5)
(1)
Cultura
(33)
(32)
(17)
(11)
(2)
Ciência e Tecnologia
(65)
(54)
(36)
(3)
Vida Cotidiana
(68)
(40)
(18)
(18)
(6)
Midia
(18)

O Atlas dos viajantes no Brasil é uma plataforma interativa que usa uma base cartográfica digital para organizar, relacionar e divulgar relatos e iconografia de viagem do acervo da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM-USP). O objetivo do Atlas é colocar à disposição dos usuários uma ferramenta simples e eficaz de acesso a uma rica fonte de conhecimento sobre o Brasil. 

As obras dos viajantes formam um dos conjuntos mais importantes do acervo da BBM e abrange livros, álbuns, atlas e manuscritos dos séculos XVI ao XX. Os materiais que eles produziram se destacam por tratar de temas durante muito tempo negligenciados por outros tipos de registro, como o cotidiano dos negros escravizados, suas práticas culturais e religiosas, a organização social de vários grupos étnicos indígenas, os hábitos alimentares em diversas regiões do Brasil. Os viajantes realizaram um importante trabalho na descrição de muitos outros aspectos da natureza, sociedade, economia e cultura do Brasil. 

A partir desse material, o Atlas foi criado por meio de três conjuntos de ação: 1) os conteúdos informativos produzidos pelos viajantes foram selecionados e organizados em assuntos e temas, formando uma espécie de enciclopédia sobre o Brasil, 2) esses dados foram georreferenciados, com base nas informações geográficas fornecidas pelos relatos, criando narrativas cartográficas das viagens, e 3) foram desenvolvidos mecanismos de visualização, busca, filtragem, comparação etc. dos conteúdos. 

A necessidade de criar uma plataforma eficiente exigiu que se recorresse a simplificações, generalizações e aproximações. A base cartográfica sobre a qual a plataforma foi criada, por exemplo, representa o território brasileiro contemporâneo e não dos períodos em que as viagens foram realizadas. O cruzamento de dados cartográficos do presente e dados de viajantes do passado produzem um inevitável anacronismo, embora também projete uma perspectiva comparativa entre presente e passado. Mas para que o leitor também possa comparar dados do passado com representações cartográficas do passado, mapas da época estão disponíveis para cada viajante. 

O objetivo também não foi criar pontos e linhas com total precisão. A ideia foi compor uma trama narrativa capaz de organizar as informações e conectar um fragmento descritivo a outro. Este projeto não tem, pois, o intuito de orientar o usuário em trilhas históricas e indicar com precisão científica o edifício ou fração da localidade descrita nos relatos de viagem. O objetivo foi construir uma plataforma que fosse o encontro entre um atlas e uma enciclopédia. Nas próximas etapas do projeto o objetivo é criar novas funcionalidades que tornem a plataforma mais abrangente e precisa, sem abrir mão da facilidade e eficácia de seu uso.   

Para o lançamento da plataforma, foram selecionadas obras de sete viajantes de diferentes nacionalidades e ocupações, que percorreram diversas regiões do Brasil entre meados do século XVIII e fins do século XIX. O Atlas será continuamente enriquecido com obras de outros viajantes e com a produção de tutoriais e materiais de apoio direcionados a usos específicos da ferramenta por estudantes, professores e pesquisadores.